Espetáculo de dança-teatro que investiga o universo poético da água estreia em Maringá

11 de Junho de 2024

“Mizu”, espetáculo de dança-teatro, estreia dia 23 de junho no Teatro Barracão, onde também se apresenta nos dias 24 e 25. Depois, encerra a temporada nos dias 29 e 30 de junho no Arena das Artes, sempre com entrada gratuita. Viabilizado por meio do Prêmio Aniceto Matti, o espetáculo é protagonizado pelos performers Joyce Midori Teruya e Sidnei Puziol (que também assina a direção) e é desenvolvido pelo grupo de pesquisa corporal Núcleo Terreno. O projeto também irá oferecer oficinas sobre os princípios da dança butô.

A obra investiga a poética da água e as memórias, mitos e lendas sobre o elemento, tendo como referência o butô, dança de origem japonesa que é objeto de pesquisa e estudo de Puziol desde 2017. Butô é uma dança que surgiu no período de contracultura do Japão pós-guerra, criada por Tatsumi Hijikata e Kazuo Ohno. Em meio à sua multifacetada natureza, o butô busca uma expressão autêntica e orgânica de um corpo que se permite ser atravessado por fluxos, vibrações, imagens e estímulos, tanto internos quanto externos. Originalmente foi chamada de “Ankoku Butoh”, que pode ser traduzida como “dança das trevas”. É complexo definir esta dança, mas pode-se dizer que em seu cerne ela busca a metamorfose do corpo por meio do movimento. Mesmo após a morte dos criadores, os diversos artistas que participaram e participam desta efervescente manifestação artística continuam desenvolvendo suas próprias abordagens do butô.

Nos últimos anos, Teruya e Puziol tiveram a oportunidade de treinar com alguns grandes nomes dessa dança, como a dançarina japonesa Yumiko Yoshioka, Atsushi Takenouchi e a dupla de dançarinos de butô Ana Medeiros e Hiroshi Nishiyama.

O roteiro cênico de “Mizu”, que significa “água” em japonês, investiga o universo poético e as complexidades da natureza por trás deste elemento. Neste trabalho, a água não é tratada apenas como mera matéria, mas como poética. No espetáculo, este elemento possui significâncias e significados profundos, muitas vezes incorporando vozes, tonalidades e pesos.

O trabalho é composto por quatro atos: “A cosmogonia dos pescadores”, “A tempestade”, “As estações das garças e Ame-No-Uzume” e “Purificação e Recomeço”. Cada ato explora mitos, lendas, imagens e sensações vinculadas à água e sua poética cíclica, como a chuva, as divindades da tempestade e da criação e as garças sobre a água. Os performers buscam corporificar e metamorfosear estas imagens por meio do trabalho corporal e da dança butô, encontrando a beleza do silêncio, do grotesco, da lentidão e tudo aquilo que se esconde nas profundezas da imaginação.

“Nosso projeto também buscar ver a natureza como ela é, especialmente diante das atuais crises climáticas que estamos vivendo. Nossa dança é movimentada pela poética da natureza e, ao pesquisar sobre o elemento água, vemos que ela não é apenas um elemento calmo simbolizando a vida e a pureza, mas também é devastadora e nos faz pensar na conscientização ambiental”, explica Teruya.

“Esperamos que, por meio da vivência dessa linguagem artística, possamos despertar um interesse por um ‘cultivo pessoal’ e pela metamorfose do corpo na cena cultural maringaense, que também é uma das nossas propostas nas oficinas que serão ministradas”, diz Puziol. As duas turmas da oficina “Raízes da Dança Butô” acontecem nos dias 22 e 29 de junho, respectivamente no Teatro Barracão e Arenas das Artes.

O objetivo é explorar a poética da água no corpo, que foi a base da criação para o espetáculo. “E se, nós humanos, pudéssemos aprender a ver as coisas pela perspectiva de um animal? Um inseto? Pela perspectiva das ondas ou de uma divindade do trovão? O butô pode servir como uma porta de entrada criativa para essas descobertas que acontecem dentro do nosso corpo”.

A oficina é aberta para a comunidade maringaense em geral, tendo experiência em dança e teatro ou não. Qualquer pessoa pode dançar butô.

 

Ficha Técnica

Concepção: Núcleo Terreno

Direção e Pesquisa: Sidnei Puziol

Codireção e Produção: Joyce Midori Teruya

Performers: Joyce Midori Teruya e Sidnei Puziol

Iluminação: Mateus Moscheta

Sonoplastia: Pedro Henrique Daniel

Figurino: VCamp Ateliê / Vitória Campanari

Maquiagem: Gabriela Santos Belline

Confecção de Adereços Cênicos: Alzira M. Goya Teruya

Design Gráfico: Sidnei Puziol

Fotografia: Renato Domingos

Equipe audiovisual/Teaser: IDX Pro – Felipe Halison e Gabriel Gregório

Assessoria de Imprensa: 2 Coelhos Comunicação e Cultura – Rachel Coelho

Assessoria de Mídias Digitais: Maringaense Cultural – Fernando Souza

Assistente de Produção: Fernando Souza

Agradecimentos: Arena das Artes, Espaço Solagasta, Elaine Teleken e Wakadaiko.

 

Serviço:

 

Espetáculo de dança-teatro “Mizu”

Dias 23, 24 e 25 de junho no Teatro Barracão

Dias 29 e 30 de junho no Arena das Artes

Sempre às 20h

Entrada gratuita

Classificação indicativa: 16 anos.

Duração: 50 min.

 

Oficina gratuita “Raízes da Dança Butô”, com Sidnei Puziol e Joyce Midori Teruya

Turma 1: Dia 22 de junho no Teatro Barracão das 14h às 17h

Turma 2: Dia 29 de junho no Arenas das Artes das 9h às 12h

Inscrições no link na bio do instagram @nucleoterreno


Produzido com verba de incentivo à cultura

Lei Municipal de Maringá nº 11200/2020

Prêmio Aniceto Matti

Facebook WhatsApp Pinterest Twitter

Voltar

Você também pode gostar

Motim - Festival de Literatura Popular agita Maringá com shows, oficinas e muito mais
Maringá vive um bom momento para a literatura, com diversos festivais acontecendo em 2024. Mais um evento terá início com dois dias de programação, em 15 e 16 de junho. O Motim – Festival de Literatura Popular foi criado para celebrar a literatura em suas mais diversas ...
Encerramento do Ficcab acontece dia 15 com oficinas e apresentações de cultura popular gratuitas
A segunda edição do Ficcab - Festival Infantil de Capoeira e Cultura Afro-Brasileira, viabilizada por meio do Prêmio Aniceto Matti, terá seu encerramento no dia 15 de junho, com atrações no Centro Cultural Sucena e no Teatro Reviver Magó. O projeto teve início em f...
Curta-metragem “Livre”, que aborda a dificuldade de realizar sonhos, será lançado na Toca
O jovem roteirista e diretor Lucas Nunes, 20 anos, fará sua estreia no circuito profissional do audiovisual com o curta-metragem “Livre”, viabilizado pelo Prêmio Aniceto Matti e protagonizado por Kênia Bergo. A primeira exibição será na A Toca Espaço Cultural, mesmo...