Como alinhar marcas à projetos culturais maringaenses

27 de Agosto de 2020

O marketing e suas estratégias ganharam forte reconhecimento nos últimos anos. Diversas frentes tomaram o mercado, mas a que está criando raízes envolve a necessidade de planejar e realizar ações que carregam as premissas da responsabilidade social, entre elas olhar com mais atenção à Cultura e o seu verdadeiro impacto na sociedade.

Empresas como Fortgreen, Dicomp e Lowçucar, entre tantas outras da região, alinham suas marcas ao mercado cultural. Elas buscam, por meio da renúncia fiscal ou destinação direta, fomentar o cenário artístico e cultural de Maringá. Peças de teatro, solos, musicais, oficinas de formação, literatura, dança e pintura foram algumas das ações incentivadas pelas empresas. O retorno é um só: desenvolver uma sociedade mais crítica e abrir portas para que a Cultura seja bem-vinda em qualquer lugar.

O maior ganho está em oferecer oportunidade para a população, ao desfrutarem de ações culturais gratuitas ou a preços populares, ao mesmo tempo em que produtores culturais e artistas adquirem meios para desenvolverem seus projetos.

Repercussão

Um dos grandes exemplos, do Instituto Cultural Ingá (ICI), sobre ações de marketing cultural consistentes é o Magias do Ingá. Voltado ao público infantil, o evento tem como objetivo fortalecer o mercado cultural regional, na medida em que apresenta pluralidade nas atrações. Dito isso é válido relembrar que o evento resgata nomes da mágica e ilusionismo nacional e internacional. O que aumentou a credibilidade da ação e, consequentemente, trouxe boa repercussão para Maringá.

A parte interessante é que o marketing cultural pode ir além do que se apresenta no palco. Há oportunidades em todos os lugares. No caso do Magias, foram realizadas ações solidárias no Hospital Santa Casa, onde o casting convidado percorria os corredores do Hospital entretendo pacientes e acompanhantes. Maringá Park, Colégio Mater Dei, Cooper Card e Atelier Portinari patrocinaram a ação no ano passado.

Objetivo x alinhamento

O projeto Som da Banda proporciona disciplina e relacionamento em grupo, que servem para que os alunos passem a conviver melhor em sociedade. A missão é promover a educação musical e a formação artística de jovens, crianças e adolescentes para o exercício da cidadania. Viapar, Unimed, Sanches Tripoloni, Vale Fértil e Oderço foram empresas que já patrocinaram a ação. “O projeto promove disciplina, concentração, mais a questão da socialização desenvolvida ao longo do projeto”, explica o maestro e organizador do projeto, Graziani Moraes. O responsável revela que o objetivo é assistir milhares de crianças. Atualmente o projeto atende 200.  

Para Alan Gaitarosso, consultor sênior do ICI, investir em Marketing Cultural não pode ser apenas uma estratégia, é preciso alinhar os valores da empresa aos objetivos do projeto. “As empresas precisam de direcionamento para entender qual é o projeto que mais se alinha aos seus propósitos. Nós recomendamos, sempre, que os empresários tirem um tempo para conhecer o projeto, o público, as ações. Não é apenas investir, é realmente entender que a marca estar atrelada ao projeto é uma forma de abraçar a cultura maringaense, é se engajar aos objetivos do projeto. Isso dá mais força ao cenário, cria sinergia entre as partes”.

Conheça os projetos apoiados pelo Instituto Cultural Ingá.

Você também pode gostar

Sonhos de cinco modelos LGBTQIA+ inspiram exposição fotográfica
Começou segunda-feira (18), no CAC – Centro de Ação Cultural, a exposição “Sonhante”, que reúne 25 imagens feitas pela fotógrafa Esther Hall. Cinco modelos LGBTQIA+ foram convidadas para participar, abordando a temática do sonho em seus dois sentidos: o sonho que s...
Renúncia Fiscal: Como sua empresa pode se tornar Amiga da Cultura?
Por meio da Lei de Incentivo à Cultura – Lei Federal nº 8.313/91, empresários podem contribuir com o desenvolvimento sociocultural e econômico da sua cidade, apoiando os projetos culturais, dos mais diversos segmentos, aprovados pela Secretaria Especial da Cultura do Minis...
Renúncia fiscal: investimento direto na Cultura e na economia local
Por meio da renúncia fiscal, a empresa que se enquadra no Lucro Real, pode abater até 4% do Imposto de Renda devido ao governo e direcionar esse percentual diretamente a projetos culturais locais. É a Lei de Incentivo à Cultura – Lei Federal nº 8.313/91. Com isso, parte ...