História da maior casa de candomblé de Maringá é tema de documentário

16 de Dezembro de 2020

A trajetória da maior casa de asè que já existiu em Maringá - e uma das maiores do estado do Paraná - tornou-se tema de filme. A partir de pesquisas, relatos e entrevistas com filhas e filhos de santo e frequentadores, o documentário conta a história da casa de candomblé Ilê Asè Oyá e também de sua Yalorixá, a Yá Sandiá - Mãe Lurdes.

O terreiro, localizado no Jardim Alvorada contou com toda a estrutura necessária para a prática do culto, desde o barracão - onde são feitos os xirês e as cerimônias abertas - até as casas dos orixás, árvores e folhas sagradas. Essas dimensões físicas denotam sua a importância e relevância social, cultural e religiosa.

O filme traz relatos importantes da biografia da sacerdotisa do Ilê Asè Oyá, que foi a principal referência local de candomblé e da cultura negra, marcando a história e o desenvolvimento das religiões de matriz africana em Maringá. “Aqui, não conhecemos muito sobre a história afro-brasileira, principalmente das religiões de matriz africana, como o candomblé. A Mãe Lurdes conquistou espaços institucionais na cidade, mas pouco se fala sobre ela”, destaca Felipe de Moraes, que assina a produção executiva do documentário e idealizou o projeto junto com Caio Emílio Soares.

Para os realizadores, os principais objetivos da produção audiovisual Ilê Asè Oyá são a preservação da memória oral ligada à ancestralidade, religiosidade, cultura afro-diaspórica e também o registro do patrimônio histórico cultural imaterial da cultura negra em Maringá. “O candomblé e as religiões de matriz africana de modo geral, utilizam-se da tradição oral como via de reprodução e transmissão dos saberes e da tradição. Quando um sacerdote morre e o trabalho feito por ele ou ela dentro de um axé não tem continuidade - como é o caso do Ilê Asè Oyá e da Yá Sandiá - todo aquele saber, toda aquela tradição, acaba morrendo junto. Por isso a necessidade de documentar e imortalizar a Mãe Lurdes e o Ilê. Esse projeto foi enquadrado na categoria de patrimônio cultural justamente pela abordagem documental do filme”, explica Caio Emílio, que assina a direção cinematográfica.

Contemplado na categoria Patrimônio, “Ilê Asè Oyá - O filme” foi produzido com verba de incentivo à cultura, Lei Municipal 9160/2012 - Prêmio Aniceto Matti. A estreia do documentário “Ilê Asè Oyá - O filme” será no dia 20 de dezembro. A transmissão acontecerá às 20 horas, pelo YouTube.

“A nossa intenção é preservar a memória da Mãe Lurdes e do Ilê, enquanto espaço de reprodução e manutenção da cultura negra em Maringá”, destacam os realizadores.


SERVIÇO

“Ilê Asè Oyá - O filme”

Estreia: 20/12/2020, às 20h, via YouTube

 

Facebook: www.facebook.com/ileaseoyaofilme

Instagram: https://www.instagram.com/ileaseoyaofilme

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCtN0lT63w7HoKJcKvHsevJQ

 

Sobre Yá Sandiá - Mãe Lurdes

 

Mãe Lurdes, como era popularmente conhecida, foi a sacerdotisa do Ilê Asè Oyá. Sua atuação influenciou muitas pessoas, de diversas classes sociais, etnias e religiões. Ela integrou o Grupo de Diálogos Inter-religiosos, participou da Secretaria da Mulher de Maringá-PR e foi a principal referência do candomblé e da cultura negra na cidade.

Sobre o Ilê Asè Oyá

Foi um dos primeiros terreiros de Maringá, aberto em 1984 e é considerado a maior casa de asè que já existiu na cidade. Nos anos 90 houve uma enxurrada que destruiu grande parte da estrutura física do terreiro e, após isso, tanto a casa quanto Mãe Lurdes, que estava com a saúde debilitada, não conseguiram se recuperar totalmente. Em 2016, após a morte de Yá Sandiá - Mãe Lurdes, o Ilê Asè Oyá encerrou suas atividades de forma definitiva.  

Texto: Assessoria

Você também pode gostar

Com captação de R$ 1,5 mi em 2020, ICI supera a pandemia e mantém a Cultura em evidência em Maringá
Mesmo com a crise e as dificuldades causadas pela pandemia, o Instituto Cultural Ingá (ICI) superou os desafios de 2020 e captou R$ 1.537.977 para realização de projetos culturais em Maringá. O valor se manteve nos patamares do total arrecadado em 2019, quando foram captados...
Cultura de Maringá abre três editais
A Secretaria de Cultura de Maringá abriu três editais na última segunda-feira (29). São eles: “Mostra em casa com arte 2”, “Arte no parque e nas praças” e “Arte ponto a ponto”. As inscrições podem ser feitas na plataforma Maringá Cultura até o dia 17 de fe...
Governo prorroga prazo para pagamento de auxílio ao setor cultural
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou hoje medida provisória (MP) que prorroga o prazo da utilização do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc para 2021. A MP autoriza o pagamento do benefício com os recursos já aprovados em 2020 e destinados ao cumprimento da l...