ICI 10 anos: O legado das presidências na construção do Instituto Cultural Ingá

19 de Julho de 2021

O Instituto Cultural Ingá (ICI) foi fundado em 2011, dentro da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM), para potencializar o setor cultural de Maringá e região. Ao longo desses 10 anos de Instituto, o trabalho árduo da equipe e diretoria aliado às parcerias e incentivo das empresas foi fundamental para a construção do ICI. Muito disso se deve ao trabalho desempenhado pelas presidências que tomaram frente e se moveram, dentro de suas articulações, para promover e impulsionar o ICI e a cultura local.

O primeiro presidente do ICI foi Orlando Chiqueto Rodrigues, convidado pelo então presidente da ACIM, Adilson Emir Santos, para assumir a presidência e desbravar os desafios da primeira agência de fomento e incentivo à Cultura do País, no formato como se constituiu o Instituto Cultural Ingá. Chiqueto havia feito um excelente trabalho na presidência do Sincontábil (Sindicato dos Contabilistas de Maringá) e não fez diferente nos dois mandatos e meio em que ficou à frente do ICI. 

O segundo presidente do ICI foi Jair Ferrari. Muito influente no setor do agronegócio, Ferrari foi um grande defensor da Renúncia Fiscal e agregou ao Instituto muitas empresas patrocinadoras. Durante o ano em que Jair Ferrari que esteve na presidência, o ICI vivenciou um grande crescimento e foi se consolidando com prestígio na cidade.

Na sequência, assumiu a presidência o publicitário Eduardo Peinado. No biênio em que esteve à frente do ICI, Peinado foi peça fundamental no desenvolvimento da imagem do Instituto, principalmente na articulação com os veículos de comunicação de Maringá.

Atualmente está na presidência do ICI o empresário George Coelho, que mantém o patamar do legado deixado por cada presidente na construção do ICI. Empresário do setor da saúde ocupacional, o líder da atual gestão já carrega os recordes de captação de recursos da história da entidade.

Os mandatos do ICI são executados em biênios, sendo que cada presidente tem direito a apenas uma reeleição. Além da presença de um Conselho Fiscal presente, essa estrutura garante a oxigenação, a transparência e a participação de líderes empresariais de diferentes setores, mantendo as artes e a cultura como o centro dos debates no desenvolvimento social e econômico de Maringá. 

Você também pode gostar

Sonhos de cinco modelos LGBTQIA+ inspiram exposição fotográfica
Começou segunda-feira (18), no CAC – Centro de Ação Cultural, a exposição “Sonhante”, que reúne 25 imagens feitas pela fotógrafa Esther Hall. Cinco modelos LGBTQIA+ foram convidadas para participar, abordando a temática do sonho em seus dois sentidos: o sonho que s...
Renúncia Fiscal: Como sua empresa pode se tornar Amiga da Cultura?
Por meio da Lei de Incentivo à Cultura – Lei Federal nº 8.313/91, empresários podem contribuir com o desenvolvimento sociocultural e econômico da sua cidade, apoiando os projetos culturais, dos mais diversos segmentos, aprovados pela Secretaria Especial da Cultura do Minis...
Renúncia fiscal: investimento direto na Cultura e na economia local
Por meio da renúncia fiscal, a empresa que se enquadra no Lucro Real, pode abater até 4% do Imposto de Renda devido ao governo e direcionar esse percentual diretamente a projetos culturais locais. É a Lei de Incentivo à Cultura – Lei Federal nº 8.313/91. Com isso, parte ...