Podcasts discutem resistência e representatividade na música

17 de Novembro de 2020

Podcasts contemplados pelo edital Arte como Respiro, foram selecionados cinco episódios que falam sobre a influência africana na música popular, a resistência de mulheres no mercado musical e a censura artística no período da ditadura.

Ouça os episódios na plataforma indicada e escolha seu favorito.

Telecoteco e a Diáspora Africana


Clique aqui para ser redirecionado à página.


Nó na Garganta é o podcast da Escola de Choro de São Paulo que busca aplicar o ensino para além do presencial, disponibilizando a metodologia da escola em formato digital, gratuito e acessível. O projeto surgiu com o propósito de alcançar um maior número de pessoas na medida em que se contempla a diversidade humana ao possibilitar o acesso a pessoas analfabetas, cegas ou com baixa visão, com deficiência intelectual e demais possíveis usuários do sistema oral de ensino. Este episódio convida o ouvinte a pensar algumas características milenares da música africana que estão na base da música popular brasileira e que influenciaram o choro e o telecoteco.

 

 

Reflexões sobre as transformações no mercado da música no Rio de Janeiro da década de 1940 à reclusão da covid-19

 

Se preferir, clique aqui para ser redirecionado à página. 

O podcast, narrado por Breno Hirata, tem como proposta discutir o cenário da música, atuação e mercado musical fazendo uma análise dos fatores sociais e políticos da década de 1940 até os dias de hoje. Neste episódio, a narrativa se dá através da Orquestra Tabajara, umas das mais importantes e duradouras da história.

Hirata cursou um período do curso avançado (atual técnico) na Escola de Música Villa-Lobos e na mesma época já atuava no mercado em shows, gravações e aulas. Cursou Bacharelado em Saxofone (UFRJ) e foi integrante da UFRJazz Ensenble e, em 2008, passou a fazer parte da Orquestra Tabajara de Severino Araújo, tocando Sax Barítono. Hoje é músico do AllBrazz Quarteto e produtor do Jazz da Glória, evento que se tornou referência na cena da música instrumental no Rio de Janeiro.

 

Cale-se – a censura Musical

 

Se preferir, clique aqui para ser redirecionado à página. 

Narrado por Marcus Fernando, este episódio busca propor uma reflexão através da música sobre um dos períodos mais autoritários da história recente do Brasil, que começa a partir do Golpe Militar de 1964.

Fernando começou o trabalho de produção musical em 1996 com o show comemorativo de 50 anos do letrista Aldir Blanc. Ao longo desses 25 anos, trabalhou com vários artistas, idealizou e dirigiu diversos shows, escreveu textos biográficos, produziu discos e foi diretor artístico da gravadora Fina Flor e diretor de produção da Rob Digital. Além disso, também dirigiu o documentário Torquato Neto – Todas as Horas do Fim, ganhador de nove prêmios em festivais.

 

Bate-papo com Mariana Zwarg

 

Clique aqui para ser redirecionado à página. 

Neste episódio, Indiara Belo exibe um bate-papo com a multi-instrumentista Mariana Zwarg, que fala sobre sua trajetória na música brasileira. Essa entrevista faz parte do projeto de pesquisa sobre mulheres da música instrumental.

Indiara é arte educadora, flautista e produtora cultural. Já se apresentou em projetos, grupos e espetáculos de teatro com grupos teatrais e em 2020, iniciou um projeto de pesquisa sobre mulheres da música instrumental brasileira na busca por compreender e documentar os diferentes momentos históricos, e as questões transversais de gênero dentro dessa vertente da música. Este podcast é material de seu projeto de pesquisa.

 

 

123 testando

 

Clique aqui para ser redirecionado à página. 

O podcast é um projeto de entrevistas e conversas entre mulheres da área musical, que tenta entender como estas estão abrindo e ocupando espaços na indústria a música. Este primeiro episódio convida Jamile Queiroz, cantora, percussionista e forrozeira para compartilhar suas histórias e experiências nesse ambiente majoritariamente masculino.

O projeto surgiu através do encontro de Bianca Vyunas e Paloma Dantas, sonoplastas e cientistas sociais que se conheceram em São Paulo entre os palcos do teatro e da música.

 

Dessa união, surgem inquietações e trocas sobre os desafios e dificuldades de ser mulher e trabalhar como técnicas e artistas criadoras. 1 2 3 testando é uma rede de trocas, conhecimentos e estratégias de mulheres nesses ambientes, dando voz e visibilidade às múltiplas experiências.

Fonte: Itaú Cultural

Você também pode gostar

ICI 10 anos: projetos apoiados alcançam quase 100 mil pessoas por ano
O Instituto Cultural Ingá (ICI) é uma agência de fomento e incentivo às Artes e à Cultura por meio da Lei Nacional de Incentivo à Cultura, com apoio na captação de recursos, suporte e consultoria às empresas e aos produtores culturais. A entidade completa 10 anos de fun...
Dançar desperta a magia e o encanto, promove o bem-estar e movimenta a economia
No Dia Internacional da Dança, o ICI traz um retrato do cenário da dança em Maringá. Apesar dos desafios impostos pela pandemia, perdas e fechamentos, a criatividade aflora para que os profissionais continuem vivendo seus sonhos. Maringá sempre esbanjou arte. Em diversos ...
Conselho de Políticas Culturais entrega ofício à Câmara pedindo recursos para a Cultura
O Conselho Municipal de Políticas Culturais (CMPC) esteve na Câmara Municipal de Maringá, nessa terça-feira (27), para entregar um ofício pedindo mais recursos à Cultura na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Em 16 de abril, esse mesmo ofício foi entregue aos vereado...